quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Eu esqueço de você muito.

Depois, lembro.
E penso em você muito.
Aí, chegam essas palavras que conseguem romper a distância.
De espaço e de tempo.
Porque foi numa outra vida que você veio me visitar.
Tenho as melhores e as piores lembranças.
Porque eu era assim tão completamente.
Não sei se sou ainda.
Não sei um monte de coisas e aprendi outras tantas.
Mas, você não sabe.
Você não sabe mais de mim.
E tudo bem, porque também não sei de você.
Mas sinto saudades da sua voz, do seu sorriso e desses seus olhos antigos.
Nunca mais vi- verei.

5 comentários:

Diana Valentina disse...

vinha pensando nisso hoje.
geralmente acordo com a cabeça cheia de lembranças e é tão inevitável que eu acorde já com a cabeça a mil.
e aí lembranças e coisas de vidas passadas.
que nem voltam mais, ainda bem.

Gabriela M. O. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nathy disse...

Ótimo blog!!! Gostei muito mesmo. Faz meu estilo. Parabéns. Belas palavras!!! Beijos

lagarta disse...

oi, alice. eu ressuscitei meu casulo de lagarta, depois de um longo silêncio... e vim te soprar isso.
terno beijo.

Anônimo disse...

Quem é esse(a) monstro(a) de olhos antigos?

- Martim