sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Alívio.

Foi bom falar com ela sobre esses assuntos que sempre causam estranheza. Não demonstrou susto, nem surpresa. Tratou como coisa corriqueira, o que sempre é visto como gravidade. Gostei da desimportância.

4 comentários:

renata carneiro disse...

isso se chama experiência. coisa que só o tempo pode nos dar...

beijos, brizoca!

A Moni. disse...

Às vezes, qualquer reação está fadada à surpresa...

Abraços...

Anônimo disse...

A voz
silencia
o grito
o coração
sua voz
pede
ele
que às vezes bate
e esquece
de ouvir
o silêncio
essa voz

Joshua disse...

Veja esse poema

A voz
silencia
o grito
o coração
sua voz
pede
o coração
que às vezes bate
e esquece
de ouvir
o silêncio
essa voz