quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Amanhecendo.

Da minha janela, vi o dia amanhecer cor de rosa. Depois, o céu se acinzentou ameaçando chuva. Trouxe a sombrinha vermelha e, por causa dela, a moça de blusa verde veio conversando comigo no caminho. As tristezas dela, que nem são, parecem com as minhas, que talvez também não sejam. E a gente riu do que dito, porque mesmo no que dói, há graça.

5 comentários:

Jú - SP disse...

É bom rir, mesmo com as coisas não tão boas. Fazem com que elas fiquem mais leves.

Sabrina Davanzo disse...

a graça na dor, alivia.

Tarso Loureiro disse...

Pra mim é absurdamente incrível e fascinante como tuas palavras se parecem com a vida! Seja na dor, no medo, na repetição, na brincadeira boba (como as pessoas que vem via google que eu adoro), no desabafo... sempre há beleza, graça, aprendizado, crescimento...

Tdudo de muito bom pra ti...

Isaac Marinho disse...

OlhaÊ!
Só não há graça na absoluta desgraça, posto que a última é a total ausência da primeira. Mas como se diz que tudo é relativo... =D

Gostei do texto. Comi, digeri e agradeci (gochisousama deshita!). =)

Abraço.

Dani disse...

Ah, também quero uma sombrinha vermelha. Deve ficar bonita bonita nos dias cinzas de chuva...

E também quero amigos assim, com suas tristezas que talvez não sejam, pra me lembrar sempre de rir das minhas! :)